sexta-feira, 14 de outubro de 2005

Crianças do povo Karajá: crença de que os ancestrais vieram do fundo do Rio Araguaia

Se a cidade não vai à tribo... (Fonte: matéria enviada para a lista de Literatura Indígena)
(Rodrigo Aör)
Esqueça a expressão ''programa de índio''. É tudo que o evento Rito de passagem, que tem seu ponto alto neste fim de semana com a apresentação de rituais de quatro tribos, não é. Primeiro, as apresentações, repletas de história, cores e simbologias, têm tudo para encantar quem for ao Museu da República. O segundo motivo é educacional. Um dos objetivos do encontro é mostrar a diversidade dos povos, desestimulando a generalização que coloca etnias diferentes na mesma oca. '''Índio' não significa nada'', resume Jurandir Xavante, presidente do Instituto de Tradições Indígenas, que organiza o evento. De volta ao Rio depois de três anos, Rito de passagem é, portanto, uma oportunidade para o carioca aprender um pouco da essência de cada um desses povos tradicionais Nesta sexta, apresentam-se as tribos Guarani (RJ), que fará um ritual para pedir a proteção, e Nambiquara (MT), que trará os ritos de iniciação das meninas que menstruam pela primeira vez. No sábado, será a vez dos Pankararu (SP e PE) mostrarem a cerimônia em que incorporam os espíritos. No domingo, os Karajá (TO) apresentam o canto de iniciação dos meninos. Há também visitas guiadas por membros das tribos à exposição Etnias (ver pág. 27) e vivências em unidades do Sesc.
Rito de Passagem-Museu da República, Rua do Catete, 153, Catete (2558-6350). 6ª e sáb., às 20h; dom., às 19h.
Cap.: mil pessoas. R$ 15 e R$ 7 (estudantes, idosos e professores). www.ideti.com.br.
JB Online, 14.10.2005 - www.jb.com.br

6 comentários:

Lia Noronha disse...

Ursa: que lindo é o canto do Uirapuru e todas essas mensagens que você nos transmite na sua encantadora floresta!

Beijinhos e bom fim de semana.

Angela Ursa disse...

Oi, Lia! Aproveite sempre os passeios na floresta. A casa é sua! Beijos da Ursa :))

nanbiquara disse...

Deve ser interessante assistir.
Beijos, :).

Angela Ursa disse...

nanbiquara, os amigos que moram no Rio, o Jôka, a Renata, a Ana... podem assistir e contar pra gente ;)) Beijos!

Saramar disse...

Hummm, que inveja! Queria estar no RJ para assisistir essas maravilhas.
Aqui em Goiás, só vejo índio de camisa branca e relógio de pulso, acredita?

P.S. belíssima foto!

Beijos

Angela Ursa disse...

Saramar, eu também queria poder assistir esse evento indígena no Rio. Que pena! Nossa! Quer dizer que os índios de Goiás andam de colarinho branco? Mas imagino que preservem a cultura deles nas tribos, não? Beijos!