domingo, 12 de março de 2006

Professor Joaquim Mana Kaxinawá

Livro Shenipabu Miyui

(informações extraídas de matéria de Vássia Vanessa da Silveira - Fonte)

"(...) Só agora nos últimos anos é que estamos com os direitos de ter uma comunicação através da escrita na nossa língua própria. Sendo um processo novo para os índios e para os assessores, encontramos várias interrogações no ar. Como se fôssemos andorinhas voando para pegar as moscas de sua alimentação numa tarde de temporal de chuva. Mas o túnel do futuro mostra que somos capazes de realizar os sonhos que sempre tivemos como povos diferentes, valorizados dentro de nós mesmos e espiritualmente."


O texto acima é do professor Joaquim Mana Kaxinawá, que faz parte da Organização dos Professores Indígenas do Acre e é o organizador do Shenipabu Miyui- História dos Antigos, livro reeditado pela UFMG e incluído na lista de leituras obrigatórias do vestibular.
Shenipabu Miyui reúne 12 mitos Kaxinawá e foi um dos primeiros livros de história organizado pelos índios que fazem parte do projeto Uma Experiência de Autoria, da Comissão Pró-Índio (CPI). "Siã fez uma viagem ao Purus, até os Kaxinawá do Peru, gravando os mitos, as histórias contadas por todos os Kaxinawá", lembra o professor Mana. Da viagem de Siã à conclusão do livro, em 1995, foram gastos sete anos de pesquisa. A demora se justifica na dificuldade que os índios tiveram para representar, graficamente, a língua falada. "Alguns fonemas da nossa língua não existiam e precisamos da ajuda de uma lingüista para representar os cinco fonemas que usamos", explica Mana. Ele lembra que quando foi levado para dentro da escola o primeiro livro escrito por índios, a reação das crianças misturava alegria e espanto. "Elas já conheciam a história mas não sabiam quem tinha escrito. Iam escutando e, às vezes, falavam: meu pai fala que esse trecho fala isso...", diz Mana reconhecendo que há diferenças entre a linguagem oral para a escrita.
Com o projeto da CPI - que nasceu de uma reivindicação das próprias comunidades indígenas do estado - outros livros, além do Shenipabu Miyui, foram e continuam sendo escritos. São livros de história, geografia e cartilhas que ajudam na formação de crianças e adultos nas aldeias do Acre. São 17 anos de projeto e 135 professores, de diferentes etnias, formados. Desses, 40 fazem parte de Uma Experiência de Autoria. "Antes, a pressão era essa: tinha que trabalhar com a Língua Portuguesa. Com esse projeto, a gente está invertendo", comemora o professor Mana.
O livro Shenipabu Miyui é bilíngue e está sendo vendido nas principais livrarias de Belo Horizonte. Em Rio Branco ele pode ser comprado por R$ 30 no Kupixawa, ao lado da Biblioteca Pública do Estado. Toda a arrecadação das vendas será revertida para a Organização dos Professores Indígenas do Acre que vai investir em pesquisas e na produção de novos materiais didáticos para as escolas indígenas.

7 comentários:

Telma disse...

Ângela só hoje vi no blog do Jôka,que ontem foi seu aniversário.Todos os elogios (merecidos) que o Joka fez a vc, eu assino em baixo.
Que Deus ilumine os seus caminhos,para que vc continue fazendo tantas coisas boas.
Um Grande abraço.
Telma

Angela Ursa disse...

Oi, Telma! Muito obrigada pelo seu carinho! Beijos florestais da Ursa :))

Matilda Penna disse...

Angela querida:
Parabéns, felicidades atrasadas mas de coração.
Tudo de bom.
Vim só rápidinho ver como anda o mundo e desejar uma boa semana, breve espero consertar o computador e voltar de vez.
Beijos, :).

Lia Noronha disse...

ursa: a festa ontem foi maravilhosa na sua floresta.
Os amigos compareceram...afinal vc é muito querida!
Boa noite Dominical.
Beijos bem carinhosos d aamiga de sempre.

Angela Ursa disse...

Amiga nanbiquara, que bom ver você por aqui! Estou torcendo para que você consiga consertar logo o computador. Acredita que as peças novas do meu não chegaram até hoje?? Beijos da Ursa :))

Querida Lia, que bom que gostou da festa. Aliás, foram várias festas muito animadas. Beijos!!

monica disse...

Minha filha tbem é fã de seu blog.Ela me perguntou se você é sociologa ?Respondi ela é muito gente!Abraço

Angela Ursa disse...

Monica, a Ursa fica muito feliz de saber que sua filha é fã da Floresta :))
Eu não sou socióloga, sou formada em psicologia, também tenho formação em terapias orientais e ainda faço correção de textos.
Beijos para você e para a sua filha :))