quarta-feira, 19 de abril de 2006

Juruna
Orlando Villas Bôas, com criança Yawalapiti no colo, ao lado do Txukarramãe Raoni (1959). Foto: Arquivo Murillo Villela, Fonte: Memória, Estadão)

Dia do Índio - Homenagem
Dois caciques, dois destinos (Fonte: Terra Almanaque)
O xavante Juruna e o txucarramãe Raoni são os dois índios mais conhecidos do Brasil. De certa forma, vivem vidas opostas, embora ambos tenham recorrido ao mundo dos brancos para resolver os problemas de suas tribos. Mário Juruna, filho do cacique xavante Apoenã, nasceu na aldeia próxima a Barra do Garças (MT) em 1942. Seis anos depois, sua tribo foi contatada pela primeira vez, pela expedição do sertanista Chico Meirelles. Dez anos mais tarde, em 1959, Juruna resolveu deixar a aldeia e conhecer de perto a vida dos brancos. Trabalhou em fazendas, viajou de carona, passou fome e, anos depois, voltou para casa. Não ficou muito tempo lá: na década de 70, passou a percorrer os gabinetes da Funai em Brasília, lutando pela demarcação xavante. Foi então que se tornou famoso: jamais era visto sem seu gravador, "para registrar tudo o que o branco diz". em 1981, Juruna foi eleito deputado federal pelo PDT. Findo o mandato, e abandonado pela tribo, ficou na miséria, em Brasília.
Raoni também perdeu uma eleição: foi destituído do cargo de cacique dos caiapós-txucarramães por Tutu Pompo. Perdeu em casa, mas ganhou o mundo. Acompanhando o cantor Sting, Raoni percorreu o planeta, foi recebido por alguns dos mais poderosos políticos do planeta e conseguiu atenção e dinheiro para a causa indígena no Xingu e na Amazônia. Raoni nasceu em 1942. Ficou famoso em 1976, quando o francês Jean-Pierre Dieleux dirigiu um documentário sobre sua vida. Raoni encarna o mito do bom selvagem.

8 comentários:

Diana disse...

Bom dia.....

Parabens pra vc tb D. Ursa....por nós mostrar todos os dias a beleza...a grandiosidade desses nossos irmãozinhos.......
bjs....

Jonas Prochownik disse...

Angela, continue sempre o otimo trabalho que vc. esta fazendo. Bjs. do teu amigo Jonas.

Angela Ursa disse...

Diana, obrigada pelo carinho! Beijos da Ursa :))

Jonas, agradeço as suas palavras. Beijos floridos da Ursa!

luciane disse...

Oi, Angela! Hoje sendo o dia do índio tinha que vir aqui deixar registrado e te parabenizar por seres uma guerreira pela causa indigenista.
Beijo pra ti.

Matilda Penna disse...

Dia do Índio, vim festejar na Floresta, o melhor lugar, claro!
Beijos, :).

Jôka P. disse...

Raoni encarna o bom selvagem.
E a índia Ursa Sentada é a selvagem boa.
Aliás, boazuda.
Ursa, a alegria da floresta.

:)
Bjs!

Daia disse...

Oi amiga.
"19 de abril é também um dia de reflexão sobre os direitos dos povos indígenas.
Dia do Índio: para que possamos, no amanhã, dizer: Ojekossub! (Em tupi antigo, quer dizer "eles conseguiram o que almejavam".)

Li isso neste no site http://www.radiobras.gov.br/especiais/indio_semana/semanaindio_2004.htm#" e acho que exprime bem o que significa o dia de hoje.
Beijos.

Angela Ursa disse...

Luciane, muito obrigada pelo seu apoio e carinho! Beijos da Ursa

Nanbiquara, a festa é sua e de todos os amigos que estão sempre incentivando a Ursa. Beijos!!

Jôka, a Ursa ficou toda boba com os seus elogios! :)) Beijos carinhosos!

Daia, que bonita essa palavra tupi com um significado tão importante! E Ojekossub para todos que amam e lutam pelos irmãos índios e a mãe Terra. Beijos e obrigada!