sábado, 10 de fevereiro de 2007

Castanha do Pará ou castanha brasileira (Bertollethia excelsa) (Fonte da imagem)

Demonstradas propriedades energéticas da castanha - 09/02/2007
(Fonte: site Amazonia.org.br - Tierramérica - IPS)

A casca da castanha brasileira (Bertollethia excelsa) constitui um insumo energético superior ao melhor carvão vegetal usado na siderurgia, comprovou o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.
“Anualmente estão disponíveis, pelo menos, 60 mil toneladas de resíduos, até agora desperdiçados”, disse ao Terramérica Paulo Roberto Moura, autor do estudo divulgado no dia 24 de janeiro.
A queima desse material gera o mesmo calor que a madeira do eucalipto mais usado no Brasil (Eucalyptus grandis), mas que se mantém pelo dobro do tempo, e é menos poluente do que a lenha comum.
Como resíduo descartado no interior da Amazônia, o ideal seria usá-la para gerar eletricidade localmente. O valor agregado também favorece a industrialização para separar e processar a castanha e sua casca, facilitando a extração e melhorando os produtos finais, afirmou Moura.

5 comentários:

luma disse...

Angela, temos que prestar mais atenção naquilo que nos rodeia e combater o disperdício. A natureza agradece!! No caso, se existe alternativa, porque ainda não foi adotada? Essa particularidade é bem brasileira; empurrar com a barriga, procurar por facilidades e deixar os outros resolverem.
Está na hora de alguém começar o servicinho limpo!
Bom fim de semana! Beijus

Elcio Domingues disse...

Ângela, o terceiro e último capítulo já está lá. Aguardo a sua leitura.

Bjs!

Elcio Domingues.

Angela Ursa disse...

Luma, concordo totalmente com você! Beijos da Ursa :))

Elcio, daqui a pouco vou ler o último capítulo :)) Beijos!!

Márcia(clarinha) disse...

Quanto desperdício poderia ser evitado...
Adorei ver vc com Jôka, pena que não sabia que estava por aqui senão teria ido tomar água de coco com vcs...
lindo findi querida
beijosssssssssss

Angela Ursa disse...

Márcia Clarinha, pois é, como eu disse neste tópico, infelizmente, minha ida ao Rio foi muito corrida, e a maior parte do tempo que fiquei lá foi dedicado à minha mãe, que é uma senhora de 81 anos. Mas da próxima vez, vou torcer para poder ver você e os outros amigos cariocas. Beijos!