quinta-feira, 15 de março de 2007

Os índios Krahò vivem no norte do estado do Tocantins. Há um colar tradicional deste povo que é utilizado somente pelas índias jovens. Acima estão alguns destes colares, recolhidos entre 2003 e 2007: Colares de Menina Moça, dos índios Krahò; à esquerda: colar de miçangas, à direita: colar de sementes e miçangas, na parte inferior do colar são utilizadas medalhinhas
e outros materiais diversos.

Iamuricumá: a Festa das Mulheres
(Fonte das imagens e do texto: Boletim Iandé, março 2007)

Os índios Kamayurá, do Parque do Xingu, contam que antigamente havia a aldeia das Iamuricumá. Um dia os homens desta aldeia saíram para pescar e demoraram muito para voltar.
Passou uma lua até que um jovem foi ver o que tinha acontecido. Ele descobriu que os homens estavam se transformando em bichos. Alguns viraram porcos e outros bichos do mato.
O jovem voltou à sua aldeia e contou o caso para sua mãe. Ela reuniu todas as mulheres e decidiram deixar aquele local, antes que seus maridos retornassem.
As mulheres vestiram os enfeites que só os homens podiam usar e pintaram-se como eles. Algumas mulheres começaram a cantar e foram subindo, subindo até alcançarem o teto de suas casas. Lá ficaram cantando e dançando por dois dias.
As mulheres passaram um veneno no corpo e se transformaram em espíritos. Por isso é que até hoje, no local onde vivem as Iamuricumá, não se pode tirar raiz, planta ou caçar; ou o índio enlouquece e desaparece para sempre.
As mulheres agarraram um velho, colocaram duas pás de fazer beiju no lugar das mãos dele e o transformaram em tatu. O velho disse: "Agora não sou mais gente. Sou tatu", e começou a cavar um túnel. As mulheres o seguiram.
As mulheres das outras aldeias em que as Iamuricumá passavam, resoviam se juntar ao grupo e continuavam viajando, viajando sempre. Até hoje elas caminham, sempre enfeitadas e cantando.
Nas aldeias do Alto Xingu, as mulheres fazem festa para as Iamuricumá até os dias atuais. Nos dias da festa os homens têm que obedecer a todas as vontades das mulheres.

8 comentários:

Jôka P. disse...

Que lindo artezanato !

Bjs!
:D

Angela Ursa disse...

Jôka, a Ursa queria usar um desses, mas é só para índias jovens ;)) Beijos!!

Saramar disse...

Lindos os colares, maravilhosos.
E a história deles também é bela, como todas, aliás, dos índios.
É tão bom aprender aqui!

beijos

BethS disse...

Querida, bom fim de semana pra você. Passei eijo.so pra deixar um b

Matilda Penna disse...

Bonitos os colares, bonita a lenda e bonita a festa das Iamuricumá.
Beijos, :).

Tom, um ser diferente... disse...

Ursa,
As índias bem quer arrasaram nos colares! No pecoso da Gisele Bundchem, vira tendência em menos do que 24hs!
Lindíssimos!

Beijos,

Tom

Angela Ursa disse...

Saramar, obrigada pelo carinho! Mas a Ursa também aprende quando pesquisa os tópicos ;)) Beijos!

Beth, adorei a sua visita! Um ótimo fim de semana para você também!! Beijos :))

Nanbiquara, fã das lendas! :)) Beijos!

Tom, são lindos esses desenhos geométricos. Uma perfeição mesmo! E as cores maravilhosas. Se a Gisele Bundchem usasse, iam custar uma fortuna :)) Beijos da Ursa!

Maria Clarinda disse...

Tenho impresso seus posts, para os ler com a calma que precisam, tenho adorado e aprendido tanto.
Obrigada.
Jhs mil.