domingo, 3 de janeiro de 2010

Sanitário seco faz sucesso entre ambientalistas
(Trechos de matéria. Fonte: Época)

A privada que não usa água e ainda recicla seu conteúdo virou uma bandeira contra o desperdício (Andres Vera)

Jenkins, de 57 anos, principal porta-voz do "sanitário seco", também conhecido como "sanitário de compostagem" (o nome técnico da decomposição de matéria orgânica para a produção de adubo). Jenkins ficou conhecido como Mr. Humanure (trocadilho com human, "humano", e manure, "excremento").

O grande trunfo do sistema é evitar a contaminação da água. É com essa bandeira ambiental que Jenkins vende a ideia do cocô reciclado. Seu livro
Humanure handbook: a guide to composting human manure (algo como Manual para compostar excremento humano) faz sucesso entre ambientalistas.

Depois do livro, algumas iniciativas surgiram nos Estados Unidos para colocar a ideia em prática. Em julho, a ONG Rizhome Collective ganhou uma licença para construir o primeiro banheiro ecológico "oficial" do Texas. Parte da população achou a ideia nojenta. Mas um argumento derrubou a resistência: o sanitário seco economizaria energia gasta no tratamento de água e esgoto. A prefeitura cedeu. Na Califórnia, a empresa McPoop (em inglês, poop é cocô) fez um acordo para montar banheiros secos em eventos públicos. Para convencer a vigilância sanitária, usaram o argumento de que um banheiro químico é a versão moderna da fossa medieval.
E qual é o cheiro do sanitário seco? Supostamente, nenhum. Quando o sistema funciona corretamente, uma reação química entre o nitrogênio das fezes e o carbono da serragem cria uma mistura estável e inodora. Para convencer as pessoas a aderir ao W.C. seco, ativistas fizeram em Chicago, nos EUA, uma experiência. Propuseram o uso do banheiro seco a 35 vizinhos: 22 deles aceitaram. O resultado foi uma "doação" de mais de 7 mil litros de excremento. No Brasil, já existe uma iniciativa: em Pirenópolis, Goiás, o Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado criou um projeto de nome sugestivo: Húmus Sapiens. São banheiros secos, de alvenaria, que custam metade do valor de um banheiro tradicional.

Nenhuma dessas ideias, no entanto, prenuncia a abolição da descarga. "A maioria das leis sanitárias diz que você deve se livrar dos dejetos humanos", diz Jenkins. "Isso impede projetos em larga escala." Outro entrave é a necessidade, no caso dos sanitários secos compactos, de um compartimento externo para a compostagem propriamente dita. Num apartamento pequeno, a reciclagem de fezes é inviável. Ao menos para quem não quer encrenca com a vigilância sanitária.

A ideia do sanitário seco é antiga. Em 1869, impressionado com o perigo de contaminação das fossas abertas, o padre inglês Henry Moule criou um sanitário seco parecido com os atuais. Com a invenção da válvula de descarga, no início do século XX, o sanitário seco caiu em desuso. Mas os discípulos de Moule ainda existem. Joseph Jenkins é um deles. Além de escrever, ele vende seus próprios sanitários compactos. Com aparência de um cubo de madeira, custam R$ 350. O assento acolchoado é opcional.

5 comentários:

Tertúlias... disse...

Ursa... o que aconteceu`? Andas tao sumida...

Angela Ursa disse...

Ricardo, nesses últimos dias tenho entrado pouco mesmo na internet porque estou com hóspedes em casa até o dia 10. Obrigada pela preocupação e carinho! Está tudo bem comigo.
Beijos floridos da amiga Angela Ursa

Jaqueline Sales disse...

Entramos em 2010 "tinindo" de boa vontade e de propósitos, amiga Ursa. Também trago notícias que devem ser lidas e meditadas por todos nos Uivos. Senti a sua falta nas festas de fim de ano, também agora nos primeiros dias de 2010, mas entendo seus compromissos familiares. Sei que é divertido, gostoso e super aconchegante estar com familiares emcasa, mas também sei que nos falta tempo para outros ócios que tanto gostamos.

Felicidades pra voce, amiga.

BeijUivooooooooooossssssssss da Loba

Lia Noronha disse...

Ursa: ideia maravilhosa...deveria ser adotada por muito mais pessoas.
Bjus urbanos pra ti.

Rafael Castellar das Neves disse...

Ótima iniciativa, Ursa!! Louvável...parabéns!!