sábado, 17 de setembro de 2005

O ritual Kunumi pepy dos Guarani (Fonte)
Existem entre os Guarani (em especial, junto aos Kaiowá, no Mato Grosso do Sul) certas práticas ritualizadas de iniciação dos jovens no mundo adulto, como o Kunumi pepy, momento no qual os jovens meninos recebem prescrições dos mais velhos (seus padrinhos) no sentido de "serem perfeitos" (imarangatuvarã) e preparam-se para perfuração do lábio, e a utilização do adorno labial denominado tembetá, sinal fundamental dos grupos Guarani. Esta marca é exclusiva dos meninos Guarani, cabendo as meninas entoar (junto com os demais adultos) os cânticos e as rezas específicas para que o rito ocorra com sucesso.
Na festa do Kunumi pepy, que pode durar vários dias, os padrinhos cuidam dos seus escolhidos e cantam seus deveres em relação aos jovens durante a festa de perfuração labial:

Kunumi ambojegua Eu adorno o menino
Kunumi poty ambojegua Adorno a flor do menino
Kunumi ambojegua Eu adorno o menino
Kunumi ku’akuaha ambojegua Adorno o cinto do menino
Kunumi ambojegua Eu adorno o menino
Kunumi ñe’e ambojegua Adorno a palavra do menino
Kunumi ambojegua Eu adorno o menino
Kunumi jeropapa ambojegua Adorno o relato da história do menino
Kunumi ambojegua Eu adorno o menino
Kunumi aupeguáko ore Nós somos os que cuidam da alma dos meninos
Kunumi(a) jasuka marane’y Somos os que cuidam da essência
Aupeguáko ore do jeito do bom proceder dos meninos
Kunumi aupeguáko ore Nós somos os que cuidam da alma do menino
He’i Ñengaju Assim diz Ñengaju
Kunumi mba’ekuaa marane’y Somos os que cuidam do saber
Aupeguáko ore do bom proceder dos meninos
Kunumi aupeguáko ore Somos os que cuidam da alma dos meninos
He’i Ñengaju Assim diz Ñengaju
Kunumi(a) jeguaka marane’y Somos os que cuidam da diadema
Aupeguáko ore do bom proceder dos meninos
Kunumi aupeguáko ore Somos os que cuidam da alma dos meninos
He’i Ñengaju Assim disse Ñengaju

Neste puraheí (canto) percebe-se toda cautela que se tem na preparação do jovem em sua entrada para o mundo dos homens, que não é qualquer mundo, mas o mundo dos homens guarani. É necessário cuidar da alma, adornar a história e ensinar o bom proceder, pois, somente com a sua plenitude, tanto religiosa como de sua origem (que se confundem em seus significados) é que será possível a continuidade do reko, que será possível a construção do guarani eté.

8 comentários:

Lia Noronha disse...

Ursa : que doce e natural a linguagem indígena.
Precisamos conviver com essa pureza...porque nós homens brancos falamos tantas palavras rudes!

Beijos carinhosos.

Palpi disse...

Ursa, obrigada pelos parabéns, querida. :D Mas não tem bolo, não dona gulosa, meu filho não quis. Como não quis um bolo, achei melhor lhe dar o mundo, o mundo de amor. ;)
Beijão. Bom fds.

Palpi disse...

corriginfo: 'não, dona gulosa' (faltou a vírgula)

Angela Ursa disse...

Amiga lia, eu também achei esse canto tão lírico, tão afetivo! Beijos da Ursa

Amiga palpiteira, o amor é mesmo o melhor presente!! Você tem toda a razão! Essa Ursa gulosa não tem jeito, viu? :)) Beijos!

Jôka P. disse...

MENINAS !!!!
LIA,
ANGELA e
CLAUDIA PALPITEIRA !!!
Isso é que se chama "Festa na Floresta "!!!
Moças bonitas e cheiro de flores !
WEEBAAA!!!!
:)
JÔKA P.

Angela Ursa disse...

Amigo Jôka, a festa também é sua! Um brinde! Beijos alegres da Ursa :))

Margaret Dal-Ri disse...

`Deve ser muito interessante este ritual,principalmente o cuidado em começar a vida de adulto.
Os indígenas tem tanto a nos ensinar!
É como se devagarinho,fossem construindo uma pessoa.
È muito bom vir aqui.

Angela Ursa disse...

Margaret, isso mostra o respeito que eles têm pelas crianças. Beijos!