domingo, 23 de outubro de 2005


O resto é folha (Gracias de Lunna)
Porque a paz
é como a única gota
da chuva de ontem
que flutua sobre a folha
e não sabe se evapora
ou se cai devagar
***
É tão fugaz sua
existência
e tão imperceptível
ao olho pobre, a paz
E, no entanto, a gota
ali está -
Quieta.
Redonda.
Perfeita.
como ínfimas ondas
embaladas no berço
do mar furioso
***
Só o coração guarda
o instante precioso
em que ela é gota
Gigante!
Vitoriosa!
Imensa gota!
Presença da alma da planta.
O resto é aparência.
Cenário
de lutas e de enganos
***
Só a gota é a verdade
Nuvenzinha de vapor
Pormenor. Detalhe.
O resto:
folhas
secas e amassadas
como mãos enfermas
a tentarem a captura
de um raio de luz

6 comentários:

Saramar disse...

Angela Ursa,
soberbo! a delicadeza e a inesperada força no final!
Maravilhoso!

Obrigada

Beijos

Angela Ursa disse...

Saramar, esse poema foi trazido da antiga floresta da Ursa. De vez em quando, recupero alguns tópicos de lá que acho interessantes. Beijos!

Lia Noronha disse...

Ursa: esse poema é um verdadeiro hino de ploclamação a vida e ao amor incondicional pela natureza!
Que bom que gostou do presente que te mandei,vc merece!
Beijos mil.

nanbiquara disse...

Lindo mesmo, mas estou triste ainda com a foto dos peixes, algo em mim desespera quendo a vê, :(...

Angela Ursa disse...

Amiga Lia, obrigada pelo carinho! :)) Beijos da Ursa!

nanbiquara, pena que as autoridades não sentem o mesmo e não tomam providências de emergência. Beijos!

Margaret Dal-Ri disse...

Ursa
Duas belezas que se completam.O momento único da gôta, na figura e a poesia que soube captá-la.