segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

Despejo Guarani Kaiowá Nhanderu Marangatu - Dez/2005 - Fotos: Egon Heck/Cimi

Coisas que não deveriam acontecer no Natal e nunca!

Funai antecipa ações no MS por conta de assassinato de índio guarani
(
Fonte)
A Funai - Fundação Nacional do Índio antecipou para este domingo (25) uma série de providências que começaria a tomar a partir de segunda-feira (26) no município de Antônio João (MS) por conta do assassinato, no sábado (24), do índio Guarani-Kaiowá Dorvalino da Rocha. Entre as medidas tomadas está a instalação de uma base da Funai no acampamento dos índios a margem da rodovia que liga os municípios sul-matogrossenses de Antônio João e Bela Vista. Estão neste acampamentos 430 índios que foram retirados, por determinação judicial, das fazendas Piquiri, Ita-Brasília e Morro Alto, em 15 de dezembro passado. A base da Funai, segundo informação do sertanista e assessor da fundação no Mato Grosso do Sul, Odenir Pinto de Oliveira, conta com cinco servidores. Dois deles são do setor de fiscalização e tem poder de polícia, "o que pode levar um pouco de tranquilidade para a comunidade indígena", acrescentou o sertanista. Os funcionários da Funai e policiais federais passaram todo o dia no acampamento tomando depoimentos de índios e seguranças de firma contratada pelos fazendeiros da região, informou Odenir Pinto de Oliveira.Dorvalino foi assassinado com um tiro a queima-roupa próxima a entrada da fazenda Fronteira. Segundo o sertanista, a porteira desta fazenda está à 20 metros de distância do acampamento. O assassino continua foragido e ainda não foi identificado pela Polícia Federal, que conduz as investigações, acrescentou. Além da instalação da base da Funai no acampamento, Odenir Pinto disse que serão tomadas uma série de medidas de assistência social para minimizar a precariedade das condições do acampamento. Neste sentido, ele ressaltou que as ações serão empreendidas a partir de uma parceria dos ministérios do Desenvolvimento Social e do Desenvolvimento Agrário com a prefeitura de Antônio João. O coordenador do Cimi - Conselho Indigenista Missionário no Mato Grosso do Sul, Egon Heck, considerou fundamental a ação do governo no acampamento para reduzir o nível de tensão entre índios e fazendeiros. Ele lamentou que as medidas só tenham sido tomadas depois do assassinato de uma pessoa e acredita que a violência entre índios e fazendeiros só terminará depois que o STF - Supremo Tribunal Federal julgar o mandado de segurança contra a homologação das terras indígenas da região impetrado pelos fazendeiros." É preciso dar um encaminhamento para a solução da posse da terra. Só isso vai diminuir a tensão instaurada. Da parte dos índios existe um limite que já está sendo extrapolado, diante de tudo que sofreram. Tudo isso cria condições para novas formas de violência", alertou Egon Heck. (Marcos Chagas/ Agência Brasil)

5 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

é verdade,não deveriam acontecer nunca...mas??
como foi de natal minha querida?espero que com muita alegria e paz!!!!!!!
lindo dia
beijosssssssssssss

Angela Ursa disse...

Oi, Márcia Clarinha! Meu Natal foi tranquilo, mas comi demais (risos). Ursa tem o olho maior que a barriga! ;)) Beijos!!

Saramar disse...

Angela Ursa, boa noite.
Às vezes, me pergunto para que serve a FUNAI. Como pode deixar os índios serem expulsos de suas terras para viver à beira de estradas? Isso é uma iniquidade sem tamanho.
Até quando essas injustiças irão acontecer em nosso país?

Angela Ursa disse...

Saramar, foi realmente uma crueldade o que fizeram com esses índios, expulsando-os de suas terras. E o pior é que as terras tinham sido homologadas em março, pode?? Beijos!

Lia Noronha disse...

Ursa: espero que tenha tido um Natal bem tranquilo...e que os Deuses protejam essa floresta de tantas e tantas injustiças...
beijos urbanos diretamente do meu Cotidiano.