domingo, 15 de janeiro de 2006

Vênus papa-mosca (Dionaea muscipula) planta carnívora com armadilhas ativas, ou seja, com movimento, nativa dos EUA. (Fonte: Digiforum - Foto tirada por Alex Kawazaki)

9 comentários:

Anônimo disse...

Amei seu blogger. O canto do Uirapuru. A vitória-régia. Não conheço a Amazônia, o Amazonas. Mas a foto da folha e da flor, a lenda, estão referidas em escrito meu que retrata épocas passadas - revivi ao passar pelo sua floresta de luz, cor, som, perfume e amor, pois a natureza vive dos amores de tudo que está em seu abrigo, revivi um tempo de 44 anos passados... Meu Deus, o tempo corre na velocidade da luz... o texto que redigi, também recolhendo saudades, tem 11 anos... a lembrança recai no começo da década de 60, ano de 1961, em uma cidade pequena do interior do meu Estado. Em uma sala de aula... Seria longo... outro dia. Hoje, só isso: amei, senti Amor.

Angela Ursa disse...

Olá! Não sei seu nome, se você é um homem ou uma mulher. Muito obrigada pela sua visita e as suas bonitas palavras. Fico feliz de saber que a Floresta da Ursa trouxe a você ótimas lembranças e sentimentos. Beijo da Ursa!

Daia disse...

Oi, amiga!
Tive a impressão que a Vênus papa-mosca iria devorar a borboletinha!!
E o lobos? Meu Deus! Que prazer mórbido!
Beijos!

Matilda Penna disse...

Adorei a foto, belíssima.
As mosquinhas, coitadas, não devem resistir e, tadinhas, são devoradas, mais em grande estilo.
A natureza é assim mesmo, a lei do mais forte vence, mas mesmo assim, produz coisas belas.
beijos, :).

111x6 disse...

Esta planta tem uma beleza perigosa ou será apenas uma forma de defesa ? Meu carinho Ângela !

Lizhy disse...

Olá, Angela!
Sou a Lizhy, do blog Hier Encore, e vim agradecer a visita.

Você procurava a letra da música, mas não conseguiu copiá-la porque o blog está protegido contra cópia - já tive problema com isso e precisei tomar essa atitude antipática. Desculpa! Para que me perdoe, deixo-a para você, esperando que possamos conversar e nos conhecermos melhor.

HIER ENCORE
Charles Aznavour

Hier encore
J'avais vingt ans
Je caressais le temps
Et jouais de la vie
Comme on joue de l'amour
Et je vivais la nuit
Sans compter sur mes jours
Qui fuyaient dans le temps
J'ai fait tant de projets
Qui sont restés en l'air
J'ai fondé tant d'espoirs
Qui se sont envolés
Que je reste perdu
Ne sachant où aller
Les yeux cherchant le ciel
Mais le cœur mis en terre

Hier encore
J'avais vingt ans
Je gaspillais le temps
En croyant l'arrêter
Et pour le retenir
Même le devancer
Je n'ai fait que courir
Et me suis essoufflé
Ignorant le passé
Conjuguant au futur
Je précédais de moi
Toute conversation
Et donnais mon avis
Que je voulais le bon
Pour critiquer le monde
Avec désinvolture

Hier encore
J'avais vingt ans
Et j'ai perdu mon temps
A faire des folies
Qui ne me laissent au fond
Rien de vraiment précis
Que quelques rides au front
Et la peur de l'ennui
Car mes amours sont mortes
Avant que d'exister
Mes amis sont partis
Et ne reviendront pas
Par ma faute j'ai fait
Le vide autour de moi
Et j'ai gâché ma vie
Et mes jeunes années

Du meilleur et du pire
En jetant le meilleur
J'ai figé mes sourires
Et j'ai glacé mes pleurs
Où sont-ils à présent
A présent mes vingt ans?

Angela Ursa disse...

Daia, nanbiquara e Ivo, essa plantinha carnívora só se alimenta mesmo de mosquinhas pequenas. Beijos da Ursa! :))


Olá, Lizhy! Obrigada pela sua visita e pela gentileza da letra da música! Eu consegui encontrar num site. Abraços florestais da Ursa! Seja sempre bem-vinda! :))

Palpiteira disse...

Eu quero umas plantinhas dessas na minha cozinha. :)
Beijo. Boa semana.

Saramar disse...

Angela Ursa, boa noite.

Lindíssima! Obrigada