domingo, 19 de fevereiro de 2006


Divulgação - Na foto superior, Paulo Edson e o tecladista Maurício Nascimento, que, juntos, trabalharam durante 20 meses na produção de "Terra Sem Mal", dos arranjos à elaboração gráfica do encarte do CD (foto inferior)
Gai Sang

"Um diálogo musical entre primitivo e moderno" (trechos de matéria: Fonte)
Assim o músico sorocabano Paulo Edson define a suíte-pop conceitual "Terra Sem Mal" que acaba de lançar em CD com recursos da Lei de Incentivo à Cultura (Linc). O projeto, que além de um CD gerou também um site e uma banda com o mesmo nome, tem como proposta mesclar a música pop, o reggae e a música indígena para narrar a epopéia da cultura indígena brasileira.Paulo Edson diz que a idéia desse projeto surgiu em julho de 2002, após um passeio pela Floresta de Ipanema, próxima a Sorocaba. Lembra que uma das pessoas que o acompanhava e que mora ao pé do morro, disse-lhe que havia encontrado um machado indígena nos arredores de um dos vários riachos que descem da serra. Interessado em ver esse objeto, o músico foi até a casa do historiador Adolfo Frioli, onde ela se encontrava. Desde então tem pesquisado sobre os indígenas que habitavam a região de Sorocaba e o estado de São Paulo. Paulo, que já havia produzido o espetáculo "Viagem ao Centro da Terra", do multitecladista de Rick Wakeman, junto à Orquestra Sinfônica de Sorocaba, acreditava que a cultura indígena brasileira poderia render um outro interessante trabalho conceitual. Coincidentemente, ele iniciava seu programa de doutorado em tradução na USP relacionado às traduções para o tupi realizadas pelo padre José de Anchieta (1534-1597). Isso colaborou para que seus estudos sobre a cultura indígena se intensificassem, principalmente com o auxílio do professor de tupi, Eduardo Navarro. Em novembro de 2002 teve acesso a algumas gravações de cânticos indígenas e com um pequeno gravador, um sintetizador, partituras e lápis, começou a esboçar algumas melodias e acordes para o que viria a ser o conjunto de músicas do "Terra Sem Mal".
Visita à aldeia
No mês seguinte, após ter composto todas as músicas do CD, Paulo convidou Maurício Nascimento, tecladista da banda jundiaiense Raízes Rasta, para auxiliá-lo na produção do trabalho.

Os dois tecladistas finalizaram o projeto em outubro de 2004, mês em que visitaram a aldeia guarani Jaraguá Ytu, uma das mais carentes do estado, ao pé do Pico do Jaraguá. Após a visita à aldeia, os dois músicos decidiram reverter o projeto em prol daquela comunidade, através da venda dos CDs que será destinada a aquisição de materiais duráveis para a cozinha comunitária (pratos e copos) e para a escola da aldeia (papéis, lápis, etc).

2 comentários:

Diana disse...

bom dia....

Saudade de canto do uirapuru...
Saudade daqui...de vc.....
Passando pra dar um beijo.....um cheiro bom....
Bjs...

Angela Ursa disse...

Amiga Diana, que bom ver você por aqui! Beijos e carinho da Ursa :))