quinta-feira, 6 de julho de 2006

A pupunheira é cultivada principalmente em São Paulo (Fonte da imagem: site da Revista Globo Rural)

Hábito de consumir palmito começou no Brasil
(Fonte: Folha Equilíbrio)

RACHEL BOTELHO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Iguaria de sabor delicado, muito apreciada por brasileiros e estrangeiros que visitam o país, o palmito é um alimento nacional. "Pode-se dizer que é típico do Brasil, porque o hábito de consumo começou aqui. Segundo consta, na época do Descobrimento, os portugueses viram os índios comendo", afirma Marilene Bovi, pesquisadora do IAC (Instituto Agronômico de Campinas).
O palmito são as folhas imaturas de uma palmeira. Existem várias espécies da planta, mas nem todas produzem palmitos de qualidade para consumo. O juçara (Euterpe edulis), encontrado na mata atlântica da Bahia ao Rio Grande do Sul, foi o primeiro a ser consumido. Com caule único, sua palmeira chegou a ser ameaçada de extinção, já que morre quando o palmito é retirado.
Atualmente, órgãos ambientais fazem diversas exigências para incentivar a extração sustentável, mas há muitas irregularidades, e a fiscalização é falha. "É muito difícil saber se o palmito em conserva é ilegal ou não. Existe um selo, mas há falsificação. Por isso, é melhor consumir sempre o pupunha", afirma a pesquisadora.
O palmito pupunha (Bactris gasipaes) e o açaí (Euterpe oleraceae) são ecologicamente sustentáveis, porque a palmeira continua produzindo depois da extração.
O primeiro é nativo da Amazônia peruana e foi introduzido no Brasil em 1980. O segundo veio muito antes, com Dom Pedro 2º, e era usado, a princípio, como planta ornamental. Produz seu primeiro palmito três anos após o plantio e é encontrado principalmente em conserva, porque escurece rapidamente depois de cortado.
Com a maioria das espécies ocorre o mesmo problema. Por isso, na culinária, o palmito é geralmente apreciado em conserva, cozido ou assado, como recheio de tortas, pastéis, empadas, sopas e suflês. Na região de Goiás, a guariroba, um palmito de sabor bastante amargo, é utilizada também em diversas receitas típicas.
Economicamente, apesar de ser o mais importante subproduto da palmeira -é um dos alimentos processados mais vendidos no país-, o palmito não é o único. A pupunha e o açaizeiro rendem frutos muito apreciados na região amazônica: da mesma planta que gera o palmito açaí saem os frutinhos conhecidos em todo o território nacional. O belo tronco da árvore também tem proveito no artesanato.

6 comentários:

veldrane_sucubus disse...

ahahaha... adorei esse nome...

Palpiteira disse...

Fiquei com vontade de comer uma torta. :)
O seu bloglines tá certinho, sim. :)
Beijos.

sub rosa disse...

Minha linda, minha querida Ursinha:
Adorei e vim agradecer especialmente seu comentário lá no post das cartas e correspondência.
Há um livro da Wanice Ferreira Galvão que organiza cerca de 40 ensaios sobre Correspondência, chamado "Prezado Senhor! Prezada Senora".. é sobre correspondência ao logo da História.
Se eu pudesse querida, dava para você.Juro!
Agora, uma coisa que não custa nada é dizer que fico feliz quando vc vai ao Sub Rosa.
Não sei se sou blogueira demodée: mas eu me pego e sinto falta dos leitores queridos que comentam e estão sempre dando uma força.
Todos, todos, são importantíssimo pra mim.

Bem, desculpe, já paguei mico, desabafei e agora vou cuidar de agradeceraos demias.
Lindo dia. Fale sobre o Tamba-tajá, que eu coloco a música de Waldemar Henrique,, um músico brilhante conhecido no mundo e esquecido, desconhecido no Brasil.:-(
Meg

Tom, um ser diferente... disse...

Sabia que deixei de comer palmito.

Angela Ursa disse...

Palpiteira, eu também gosto muito de torta de palmito, creme de palmito e palmito em salada. Beijos!

Meg, obrigada pelo seu carinho e pela dica do livro :)) Vou pesquisar sobre o tamba-tajá, ok? Beijos floridos da Ursa!

Angela Ursa disse...

Tom, eu tenho receio de comer palmito em qualquer restaurante ou lanchonete sem referência, por causa dos clandestinos. Beijos da Ursa! :))